APATITE FISSION TRACKS and mountain denudation / TRAÇOS DE FISSÃO EM APATITA e denudação das montanhas

Galbraith et al. (1990)
Fonseca et al. (2020)
Fonseca et al. (2020)
Fonseca et al. (2020)

Those small minerals can help to understand how quickly a mountain belt is eroded. The method is based on the decay of radiogenic elements within the mineral structure, which leaves small tracks due to the damage caused by the nuclear disintegration. By counting the density and length of the tracks, we can estimate the time passed since the rocks in a mountain belt were exposed to different levels of erosion. Then, we can compare the rates of erosion with the blooming of complex life in the seas that bordered the mountains to check if the delivery of nutrients match with the denudation of the high relief areas. The paper by Fonseca and collaborators is an example of this technique applied to the Brasília Belt, an ancient mountain belt in the middle of Brazil.

Refs: Galbraith et al. 1990. Apatite fission track analysis: geological thermal history analysis based on a three-dimensional random process of linear radiation damage. Phil. Transactions of the Royal Society.

Fonseca et al. 2020. Devonian to Permian post-orogenic denudation of the Brasília Belt of West Gondwana: insights from apatite fission track thermochronology. Journal of Geodynamics.

Esses pequenos minerais podem ajudar a entender a rapidez com que uma cadeia de montanhas é erodida. O método baseia-se na decomposição de elementos radiogênicos dentro da estrutura do mineral, que deixa pequenos rastros devido aos danos causados ​​pela desintegração nuclear. Contando a densidade e o comprimento das trilhas, podemos estimar o tempo decorrido desde que as rochas em um cinturão de montanhas 🗻 foram expostas a diferentes níveis de erosão. Em seguida, podemos comparar as taxas de erosão com o surgimento de vida complexa nos mares que margeavam as montanhas para verificar se a entrega de nutrientes combina com a desnudação das áreas de alto relevo. O artigo de Fonseca e colaboradores é um exemplo dessa técnica aplicada ao Orógeno Brasília, um antigo cinturão de montanhas no meio do Brasil.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: